Recomendamos: Ricardo Carvalho Calero. Coraçom de Terra

Ricardo Carvalho Calero. Coraçom de Terra, de Iván Suárez (deseños), Xico Paradelo, Irene Veiga e Carlos Rafael Ramos (roteiro), é un libro de banda deseñada publicado por Demo Editorial e Através Editora.

“Banda Desenhada alicerçada em vários itens da biografia de Ricardo Carvalho Calero: a infância em Ferrol, os estudos universitários em Compostela, a Guerra do 36, a docência em Lugo no Colégio Fingoi, catedrático na USC e a eclosão do reintegracionismo. Tudo orquestrado de forma a mostrar os problemas da situação cultural, linguística e política do país ao longo do século XX e do estado de cousas na atualidade.
A obra arranca em Lisboa, 1996, numha realidade alternativa. Durante o ato de fundaçom da Comunidade dos Países de Língua Portugyesa, Ricardo Carvalho Calero, representante da Galiza e um dos principais intelectuais do galeguismo, imagina, momentos antes de tomar a palavra, como teria sido a sua história e a da sua Terra se o passado tivesse acontecido de umha forma diferente.”

Recomendamos: Português do Brasil. O galego tropical, de Diego Bernal Rico

Português do Brasil. O galego tropical, de Diego Bernal Rico, é un libro publicado por Através Editora.

““Fazia falta um livro como este, que falasse do português brasileiro olhando-o por baixo, por dentro, partindo da vivência da língua, com os seus cheiros e sabores, na confusão das cidades, no escurinho do cinema e com a poeira as ruas. Diego Bernal, após anos morando no Brasil e em Portugal, faz isso de maneira admirável, com a prosa leve e uma sensibilidade afiada. O seu olhar descortina as relações entre o galego e o português brasileiro, como duas pontas de um sistema linguístico histórico, nas palavras mais cotidianas, na topinímia, nas formas de nomear” (Xoán Lagares).
Diego Bernal Rico (Lugo, 1982) É mestre em Filologia Galega pola Universidade da Corunha e pós-graduado em Ensino do Português pola Universidade Nova de Lisboa. Deu aulas em várias universidades do Brasil e Portugal e na atualidade é professor de galego na EOI Jesús Maestro de Madrid. É autor do conto A estória do Apalpador, o carvoeiro mágico do Courel e dos livros sobre língua Remédios para o galego, Dicionário visual Através e Português do Brasil. O galego tropical.”

Recomendamos: A Fé do Converso, de Mário Herrero

A Fé do Converso, de Mário Herrero, é unha obra publicada por Através Editora.

A Fé do Converso é a geometria de todas as palavras, dentro de todos os personagens entre muros e fora deles, de linhas claras que entre pálidas se entrelaçam. Um grito não contido, um capítulo Final “morreu deus na sala de estar” e a limpeza visceral completa-se.
Olhares passantes de uma memória sentida no “…fracasso da utopia”.”

Recomendamos: Antologia da poesia em galego, de Ricardo Carvalho Calero

Antologia da poesia em galego, de Ricardo Carvalho Calero, é unha antoloxía elaborada por Paulo Fernández Mirás, publicada por Através Editora.

“A escolha dos textos recolhidos nesta antologia tenciona não somente mostrar as excelentes qualidades e capacidades do poeta como versificador ou criador mas também achegar fragmentos da sua vida feitos poesia, essa parte biográfica que contém a sua obra e que não figura apenas na narrativa, como Scórpio, para além de outros poemas que destacam pela sua qualidade.”

Recomendamos: #NãoMeKahlo. Feminismo além das redes

#NãoMeKahlo. Feminismo além das redes, é unha obra publicada por Através Editora.

“Este livro tem a sua semente num Hashtag, #MeuAmigoSecreto, cuja intenção era chamar a atenção sobre o machismo daquelas pessoas mais próximas a nós: colegas de trabalho, namorados, amigos, chefes… e serviu para muitas mulheres partilharem os seus relatos gerando numerosas interações.
O coletivo Não Me Kahlo foi a espoleta deste Hashtag e com este livro dão continuidade à energia que gerou. Em doze capítulos, elaborados sobre sólidas pesquisas estatística e bibliográficas, analisam temas como a construção da feminilidade, as mulheres negras, o empoderamento, a sexualidade, a desmitificação da maternidade, a cultura da violação ou os padrões de beleza.”

Recomendamos: Animais de estimação e bestas de companhia, de Rebeca Baceiredo

Animais de estimação e bestas de companhia, de Rebeca Baceiredo, é un ensaio filosófico publicado por Através Editora.

Animais de estimação e bestas de companhia é um livro em que a autora explora duma óptica filosófica a nossa relação com outras espécies e estuda a alteridade e a relação dos humanos com um Outro animal. Como se constrói a subjetividade com respeito ao Outro, o arriscado de falar por boca do Outro e a possibilidade da sua mercantilização são temas que aparecem neste ensaio. Rebeca Baceiredo faz um estudo desse outro animal que estamos se(gui)ndo.”

Presentación de Tu contas e eu conto, de Susana Sanches Arins, o 28 de febreiro ás 20:15 h.

O 28 de febreiro, ás 20:15 horas, Susana Sanches Arins presenta o seu novo libro Tu contas e eu conto, publicado por Através Editora. No acto estará acompañada por Eli Ríos.

“17 relatos e 17 poemas, 17 contos e 17 cantos. Susana Sanches Arins conta sobre amizades que lastimam, sobre a memória dos tempos idos, sobre o nojo, o humor e a morte. Conta sobre ocupar o tempo na precariedade, sobre voltar a casa sozinha, sobre o medo e sobre o assédio. Canta para as mulheres morridas, para quem não chega a casa e para alcateias de lobas. Canta para a luta, para a situação atual e para nós. Lê, que este conto é nosso.”

Recomendamos: Tu contas e eu conto, de Susana Sánchez Arins

Tu contas e eu conto, de Susana Sánchez Arins, é un libro de poemas e relatos publicado por Através Editora.

“17 relatos e 17 poemas, 17 contos e 17 cantos. Susana Sanches Arins conta sobre amizades que lastimam, sobre a memória dos tempos idos, sobre o nojo, o humor e a morte. Conta sobre ocupar o tempo na precariedade, sobre voltar a casa sozinha, sobre o medo e sobre o assédio. Canta para as mulheres morridas, para quem não chega a casa e para alcateias de lobas. Canta para a luta, para a situação atual e para nós. Lê, que este conto é nosso.
eu conto e tu contas. a frase para segredar. a confidência. aquilo que ninguém mais sabe. e também aquilo que todo o mundo conhece mas ninguém diz, por calado. eu conto e tu contas. a intimidade. aquilo que acontece por dentro de nós e só é sabido se verbalizado. a surpresa. o nojo. a dor. o gozo. eu conto e tu contas. e já sabes. não digas a mais ninguém.”

Recomendamos: Guia do Caminho Português de Santiago, por Antón Pombo

Guia do Caminho Português de Santiago, de Antón Pombo, é unha obra publicada por Através Editora.

“O Caminho de Santiago é um dos trajetos mais calcorreados desde a Idade Média, transitado cada ano, nas suas diversas variantes, por centenas de milhares de pessoas. O autor deste guia, Antón Pombo, não é apenas um perito na matéria como também um dos responsáveis pelo renascer desta rota, nomeadamente do Caminho Português que está a ganhar, nos últimos tempos, uma maior atenção por parte de caminhantes e instituições. Este guia quer colaborar para que o Caminho Português sirva como mais um espaço de convívio e conhecimento das sociedades galega e portuguesa. Para este fim têm contribuído sobremaneira o afinado trabalho de adaptação de Fernando Corredoira e as caixas temáticas criadas por Eduardo Maragoto.
O presente guia recolhe:
– O Caminho Central português com 25 etapas, o Caminho da Costa com 7 etapas e a variante de Braga com mais 4 etapas com os respetivos mapas.
– Espaços para dormir e comer, postos de turismo, transportes e os serviços que o peregrino pedestre ou de bicicleta vai precisar.
– Cerca de 200 fotografias.
– Informações culturais, históricas e artísticas que permitirão o caminhante de Portugal e o da Galiza conhecer melhor aquilo que liga ambas as margens do Minho.”
Aquí pode consultarse o índice.

Recomendamos: Raízes de Pessoa na Galiza, de Carlos Quiroga

Raízes de Pessoa na Galiza, de Carlos Quiroga, é unha obra publicada por Através Editora.

“Este livro prova o nexo genealógico que por via materna leva Fernando Pessoa a um trisavô galego. Oferece as evidências documentais e reconstrói a prodigiosa peripécia desse antepassado, que como capitão e sargento-mor graduado passou por Faro e Lisboa e chegou a lecionar na Academia Militar de Ilha Terceira, falecendo com 63 anos em Angra do Heroísmo. A família galega de Pessoa no século XVIII e a procura de parentescos atuais constituem capítulos complementares.
Na segunda parte Carlos Quiroga aborda as relações literárias do próprio Pessoa com este espaço. O foco está nas resenhas de Orpheu produzidas de modo exclusivo na Galiza, na naturalidade galega de Álvaro de Campos e muito em particular de Alberto Caeiro. Aponta-se a conjetura de um Caeiro galego ser referente real, na sugestão do nome do heterónimo por parte de Guisado, intermediário privilegiado. E estuda-se a hipótese de um dos textos publicados em jornal galego sobre a revista portuguesa ser de provável autoria pessoana.
Consulta aqui o índice.”