Recomendamos: Poesía reunida (1982-2004), de Xela Arias

Poesía reunida (1982-2004), de Xela Arias, é un libro publicado por Edicións Xerais.

“O volume Poesía reunida (1982-2004) dá conta da obra poética de Xela Arias e quere contribuír á súa difusión e coñecemento. A escritora ocupou un lugar de seu na cartografía literaria das últimas décadas e a súa obra está en consonancia coa renovación do discurso poético producida dos anos 80 en diante, así como coa proliferación dos discursos do feminismo, aos que acompañou como pioneira. Xela Arias, que manifestou en numerosas ocasións un sentimento de soidade xeracional, reivindicou a condición de muller escritora e reaccionou con contundencia contra o carácter invisibilizador das etiquetas. Para ela, a poesía era «un trato coa búsqueda da vida poderosamente iluminada». Edición, introdución e notas de María Xesús Nogueira Pereira.”

Recomendamos: Os Passos da Procura, de Celso Álvarez Cáccamo

Os Passos da Procura, de Celso Álvarez Cáccamo, está publicado por Através Editora.

Os Passos da Procura de Celso Álvarez Cáccamo trazem-nos vinte anos de poesia (1997-2017) e uma serena e meditada reflexão sobre o passado e a memória.
Ao longo das suas páginas diz-nos isto é, isto fomos. Dá-nos certezas incómodas sobre o passar do tempo, produto dum dilatado percurso. Os Passos da Procura apresenta-se-nos como um livro bem assentado e tranquilo, idoso, por mor dos muitos anos desde a sua conceção até a sua publicação, um tempo que a própria obra semelhou exigir. Diz o autor que “em horas como esta as casas antigas contêm tal nostalgia que são todas a mesma”, e não deixa de no-lo confirmar ao longo do livro. Através da névoa que nos amostra veremos as lembranças, as suas e também as nossas. Pergunta-nos também, o que será isto? O autor remove por dentro as nossas emoções e vivências, porém mantém-nos no presente olhando ao futuro. Abre as casas velhas de todas nós e convida-nos: “Reunamo-nos […]/ Não é tarde para reentrar na casa / onde a memória do lume permanece”.”

Aquí pode escoitarse a opinión de Chus Nogueira sobre este libro no Diario Cultural.